Ética da LIFO

O método contábil da LIFO para avaliar o estoque de uma empresa - em último lugar, primeiro a sair - tem sido criticado pelo Congresso e pela Casa Branca. O presidente Barack Obama, no início de 2012, recomendou a revogação desse método contábil, identificando-o como uma maneira de as empresas se qualificarem para reduções de impostos significativas durante períodos inflacionários, reduzindo a quantidade de dinheiro que eles pagam ao governo federal. O governo prefere que as empresas sigam o método de contabilidade de estoque de first in, first out ou FIFO. O debate centrou-se em saber se o LIFO é um meio ético para as empresas colocarem um valor no seu inventário.

LIFO

O LIFO é um dos métodos de contabilidade que as empresas podem usar para calcular quanto dinheiro investiram em seus estoques de produtos, matérias-primas, peças, insumos e outros materiais necessários para administrar suas empresas. Sob o método LIFO, o inventário que as empresas mais recentemente produziram ou fabricaram é tratado como o primeiro vendido sempre que a empresa vende seus serviços ou produtos. Isso proporciona às empresas um incentivo fiscal em épocas de inflação alta, porque os itens de estoque mais recentes terão custado mais, permitindo que as empresas reivindiquem lucros menores durante um ano.

FIFO

O FIFO é o oposto do LIFO. Segundo esse método de contabilidade de estoque, os itens de estoque que foram comprados primeiro ou antes são considerados os primeiros a serem vendidos sempre que uma empresa vende seus produtos ou serviços. Os defensores dizem que este método fornece uma imagem mais precisa do valor do estoque de uma empresa.

Quebras fiscais injustas?

O Departamento do Tesouro dos EUA, ao pedir a revogação do LIFO, diz que o método contábil permite que as empresas escondam a quantidade de lucros que realmente realizaram em um ano inflando artificialmente o valor de seus itens de estoque. É por isso que as Normas Internacionais de Relato Financeiro proíbem empresas de usar o LIFO.

O fim do LIFO?

A lei do imposto de renda federal dos Estados Unidos exige que as empresas que utilizam LIFO para fins de imposto de renda federal também usem esse método contábil para suas demonstrações financeiras, algo conhecido como o requisito de conformidade LIFO. O LIFO, no entanto, não é permitido pelas Normas Internacionais de Relato Financeiro. Como uma coluna de janeiro de 2012 do contador público certificado Michael Redemske, publicada no site do Instituto Americano de CPAs, isso convenceu muitas empresas de grande porte de que elas podem perder a capacidade de usar o LIFO, a menos que a Receita Federal esteja disposta a criar uma exceção. As Normas de Relatórios Financeiros ou o Congresso estão dispostos a revogar o requisito de conformidade do LIFO. Isso, então, pode significar que o debate da ética sobre a contabilidade do LIFO acabará por se tornar discutível.

Recomendado

O melhor método para faturar no QuickBooks
2019
Vinculando vs. Importando arquivos no Access
2019
Como manter as posições de caixa diárias de uma empresa no Excel
2019